Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 27 de junho de 2015

Quando a ciência erra - parte 3 (final... acho)


Já falei antes de diversos erros e manotas de cientistas sobre fósseis e outras “descobertas”. E nem vou falar de engodos “modernos” e “pegadinhas” como a árvore de espaguete e da televisão que transmitia cheiros, ou da invasão de marcianos de Orson Welles, que também enganaram meio mundo – inclusive pesquisadores de diversas áreas.
Mas tenho que falar de fraudes ainda mais cabulosas, como as pesquisas de genomas humanos e de chimpanzés. Possivelmente o trabalho mais amplamente citado da evolução de primatas nos anos 1980 foi o de Sibley e Ahlquist, usando o DNA para estudar a filogenia de primatas em trabalhos publicados em 1984 e 1987, no The Journal of Molecular Evolution. Eles concluíram que, em vez de produzir uma relação efetivamente equidistante entre humanos, chimpanzés e gorilas, conforme a maioria dos dados mostrava, humanos e chimpanzés ficavam numa relação especial um com o outro, como parentes mais próximos. A técnica foi chamada de hibridização de DNA, e eles já a vinham aplicando extensivamente em aves. Mas os dados sobre os macacos não produziram a conclusão filogenética publicada. Acidentalmente descoberta por outros cientistas (Vincent Sarich, da Universidade da Califórnia-Berkeley; Carl Schmid, da Universidade da California-Davis, e o brasileiro Michelson Borges), muitos dados tinham sido alterados. Essas alterações não tinham sido reportadas, e eram desconhecidas dos revisores e dos leitores dos seus trabalhos de 1984 e 1987. Quão importantes foram essas alterações?
Michelson Borges relata em seu site  que Sibley et alii admitiram que em seu trabalho de 1990, se não fosse pelas alterações dos dados, “seria virtualmente certo Homo, Pan e Gorilla formam uma tricotomia” [p. 225]. (Leia o restante do texto de Jonathan Marks, pesquisador evolucionista do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade da Carolina Norte).
Nota do blog Desafiando a Nomenklatura Científica: A grande mídia internacional e tupiniquim nos bombardearam com os tais de 99% de semelhança entre os genomas humanos e de chimpanzés. O 1% de dessemelhança nem sequer recebeu o devido destaque na mídia. Mas, e se alguns estudos sobre a tão propalada “semelhança genômica” entre humanos e chimpanzés estivessem sob suspeita de fraude, a Folha de SP publicaria? Creio que não. Lá, quando a questão é Darwin, se for para fortalecer os críticos e os de visões extremas da evolução, segundo Marcelo Leite: “Não damos espaço”! Entendo que a ciência é feita por humanos falíveis e sujeitos à vaidade quanto a um lugar no Panteão dos notáveis. Essa busca desenfreada pelo tal de “elo perdido” – ou melhor, toda uma “corrente perdida” – tem levado muitos cientistas darwinistas a perpetrarem fraudes para provar o fato, Fato, FATO da evolução. Não tenho todas as informações sobre o assunto, a não ser as versões apresentadas por Jonathan Marks, mas as que tenho não deixam nenhuma sombra de dúvida: Sibley e Alquist cometeram fraude (Fonte 1)(Fonte 2).
O que queremos com tudo isso? É óbvio que não se trata de pura e simplesmente ter a pretensão e a presunção de desacreditar a Ciência, nem mesmo se tivesse muito tempo e espaço. É uma sandice. Como é outra sandice tentar desacreditar a Bíblia (que é muito diferente de “religião”, “mitologia” etc., conforme já expliquei antes), com base em teorias científicas. As teorias mudam constantemente, pois a cada nova descoberta científica surgem novos fatos que por sua vez provocam novas tentativas de explicar a realidade, com base nas últimas novidades. Só que muitas vezes os pesquisadores e cientistas se enganam, e são enganados de boa ou de má-fé. Como você pode ver neste link, que mostra que dezenas de “trabalhos científicos”, teses e teorias foram escritos usando-se um programa de computador chamado vulgarmente de “gerador de lero-lero”. Portanto, ao usar textos supostamente “científicos” para tentar desacreditar a Bíblia, mais cuidado.
E o mais engraçado de tudo isto é que a Bíblia, que muitos começaram a julgar obsoleta a partir do propalado Iluminismo, tem se mostrado a cada dia mais verdadeira. Muitos fatos bíblicos simplesmente são desacreditados e descartados sem mais nem menos, por que, como temos mostrado neste pequeno espaço, quando se leva a sério a Palavra Inspirada do Deus Vivo, ela se mostra fiel e digna de toda credibilidade. Como aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui...
Mas o pior de tudo é que muitas vezes é possível detectar um movimento deliberado em direção à fraude e ao engano. O  interessante livro A História Secreta da Raça Humana, de Michael Cremo e Richard Thompson, analisa  descobertas arqueológicas não-convencionais e pouco divulgadas pela mídia, como esqueletos de anatomia praticamente igual à de seres humanos modernos encontrados num sítio do período do Plioceno, que se supõe ter de 1,5 milhão a 5 milhões de anos. Os ossos foram descobertos numa vala na cidade italiana de Castenedolo, na década de 1860. “Esse é um exemplo bem documentado de restos humanos totalmente anômalos, numa época em que os cientistas supõem que eles seriam impossíveis”, diz um dos autores.
Outra evidência apontada pelo livro: em 1849, operários de uma mina de ouro na Califórnia encontraram ferramentas mais avançadas, como pontas de lança e pedras de amolar, em leitos de cascalho localizados dezenas de metros abaixo das rochas. A idade dos cascalhos é estimada em 9 milhões a 55 milhões de anos, ou seja, um tempo muito anterior ao “surgimento” de uma criatura capaz de fabricar ferramentas, segundo a concepção evolucionista.
O livro menciona ainda casos mais extremos levantados pelos pesquisadores. Em 1844, um cordão de ouro foi encontrado a 2,40 m dentro de uma rocha que estava sendo removida por operários em Dorchester, Inglaterra. Em 1985, a pedra teria sido datada como sendo do período Carbonífero Primitivo – entre 320 milhões e 362 milhões de anos de idade. Para Cremo e Thompson, essa é apenas mais uma evidência subestimada. Será que não seria mais lógico associar tal achado ao dilúvio de Gênesis?
Na África, na década de 1980, foi encontrada uma esfera de metal, perfeitamente redonda, com três listras paralelas sulcadas em baixo-relevo. Ela estava num depósito mineral que teria cerca de 2,8 bilhões de anos! Mais uma indicação de que a raça humana era tremendamente capaz no início da história deste mundo, conforme sustenta a Bíblia!

Resumindo, para Cremo e Thompson, os cientistas teriam se apegado tão firmemente à teoria darwiniana que já não consideram nenhuma outra possibilidade, fazendo vista grossa para possíveis evidências que não estejam de acordo com sua “crença”. Esqueceram-se de dizer que, se por um lado essas evidências que não se encaixam no molde evolucionista são descartadas, por outro lado as fraudes são facilmente aceitas, tamanha a vontade de validar um modelo aceito a priori. [Veja aqui um exemplo.] Os autores lembram ainda que, se um pesquisador encontrar algum osso ou outro indício que vá contra a linha evolutiva, ou ele finge que não encontrou nada ou se prepara para todo tipo de represália velada: descrédito dos colegas, ameaças de demissão ou de corte de verbas e exclusão dos periódicos científicos. “A teoria da evolução teria se tornado uma questão de fé, ou a ciência não teria capacidade de lidar com novos fatos que contradizem teorias que atualmente são aceitas como verdadeiras”, assumem. O próprio Michael Cremo admite que “os cientistas de hoje estão muito apaixonados pela teoria da evolução e é natural que se oponham a quem vai contra ela. Por outro lado, há a questão do poder. Há vários tipos de poder no mundo e o intelectual é um deles. Quem detém o poder quer mantê-lo. Num nível mais profundo, acredito que muitos cientistas que apóiam a evolução e os pressupostos materialistas envolvidos nela têm uma ideologia com implicações para a sociedade humana. Os objetivos que nos colocamos a longo prazo são determinados em grande parte a partir das respostas para “quem sou eu?” e “de onde eu vim?”. Com seu monopólio, os evolucionistas estão nos dando respostas bastante materialistas para essas questões. Logo, não é de se espantar que a civilização humana tenha se tornado materialista e absorta no processo de produção e consumo material”. (Fonte dessa resenha) Para ver matérias atualizadas sobre o assunto fraudes científicas, clique aqui e aqui.

Acho que isso deixa claro por que, apesar de tantos erros, certas “teorias” permanecem sendo aceitas como verdades absolutas. E esse posicionamento cega as pessoas para que não enxerguem que a Verdade Bíblica continua válida através dos séculos, em que pesem os esforços hercúleos da intelligentsia para destruí-la. Finalizo com um comentário a respeito de matéria publicada na revista Veja, sobre Viktor Deak, paleoartista.

  © Blogger templates Modelo: Shiny by Ourblogtemplates.com 2008 - personalizado por Georges - que ralou pra caramba!

Voltar ao INÍCIO