Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O avanço do espiritismo


Poucas coisas poderiam compensar mais a perda de uma pessoa querida do que a possibilidade de encontrá-la novamente. Diversas religiões pregam a crença na vida após a morte, mas o espiritismo vai além ao ensinar que é possível, aqui e agora, fazer contato direto com quem já se foi: as almas desencarnadas estariam em outro plano, prontas a aconselhar os vivos rumo à perfeição espiritual. Para isso, vale-se dos “médiuns”, que acreditam ser intermediárias entre vivos e mortos. Hippolyte Leon Denizard Rivail, o auto-denominado Allan Kardec, afirma isso com todas as letras: para seus seguidores, auto-denominados “espiritualistas”, a vida é uma sucessão de mortes e renascimentos, e nesse meio-tempo a pessoa tem a oportunidade de desenvolver-se. 
Começa aí o abismo entre os “espiritualistas” e os evangélicos, que com base em textos bíblicos como Hebreus 9:27 (“Ao homem está estabelecido morrer uma única vez, vindo depois disto o juízo de Deus”), rechaçam a reencarnação. Há ainda muitas outras divergências: por exemplo quanto ao papel de Cristo. Se para os crentes Ele é o Filho de Deus e Salvador do mundo, na opinião kardecista é só um espírito iluminado, que alcançou a perfeição graças ao amor e bondade. 
O apelo desse tipo de crença explica sua popularidade: o último Censo, o de 2000, encontrou pouco mais de 2,3 milhões de “espiritualistas”, mas muitos têm o kardecismo como “segunda crença”, à qual recorrem em momentos de aflição. Além disso, o espiritismo mesclou-se com credos de matriz africana como a umbanda e o candomblé, criando um “mix” de religiosidade popular. De acordo com a Federação Espírita Brasileira (FEB) há no país cerca de 15 mil “centros” das mais diversas linhas espiritualistas, interessadas numa religião onde não há amarras hierárquicas e onde cada um é responsável pelo própriocrescimento, sobretudo através da caridade. “Não há intermediação, nem velas ou imagens nos centros espíritas. O praticante precisa se prender a algo mais abstrato e pessoal”, explica a socióloga Célia da Graça Arribas. “Não é qualquer um que compreende esse sistema, por isso a importância do estudo constante”.
Célia investiga o crescimento do kardecismo no país e a formação dos primeiros grupos. De acordo com sua tese de mestrado, essa crença chegou ao Brasil ao redor de 1860, com o primeiro livro de Kardec, "O livro dos espíritos". A obra despertou interesse e seduziu advogados, médicos, intelectuais, jornalistas e políticos, gente que mantinha contato com a produção intelectual da França, então o principal centro cultural do mundo. Essa formação elitizada provavelmente tenha sido a responsável por manter a religião espírita focada principalmente na classe média, e a ênfase no estudo explica o desenvolvimento das editoras do segmento. Segundo um levantamento da Câmara Brasileira do Livro (CBL), esse nicho de mercado faturou, só em 2006, quase R$ 100 milhões. 
Para a mídia, a imagem de Chico Xavier, capaz de reunir pessoas de vários credos e ainda lhes dar esperança, é um alavancador de audiência. Não é a toa que novelas que exploram tema mediúnico são recorrentes na rede Globo. “A viagem” , “Alma gêmea” e “Escrito nas estrelas” exploraram esse filão. A vice-presidente da União das Sociedades Espíritas de São Paulo (USE-SP), Júlia Nezu, acha que Chico Xavier “veio para popularizar o espiritismo. Sua missão na terra foi de exemplificar o amor e decodificar a doutrina”, filosofa. Para ela, o sucesso dos temas espíritas reflete uma busca moderna: “As pessoas estão cansadas do materialismo e têm procurado uma resposta transcendental. O espiritismo traz essa resposta”
O sucesso recente do filme sobre a vida de Chico Xavier é prova disso. Em dois meses, foram 3 milhões de espectadores, sinal de que a doutrina dos espíritos está em alta. E tem mais filme sobre o assunto vindo por aí. Não falo mais nada para não dar asa a cobra. Fato é que os 450 livros, supostamente “psicografados” pelo “médium”, já venderam mais de 18 milhões de exemplares. Chico Xavier é o campeão das letras espíritas, devido a uma série de fatores, como sua origem humilde: pobre, estudou apenas até a quarta série do ensino primário. Por isso, ao contrário das obras filosóficas de Kardec, seus escritos são extremamente acessíveis, com princípios doutrinários rudimentares; seu caráter desprendido (doou toda a renda de seus livros à caridade, montou centros assistenciais e vivia de maneira modesta) e sua compleição física frágil ajudaram a moldar um ar de santidade, venerado por seus seguidores. Diariamente, devotos de vários pontos do país dirigem-se até Uberaba simplesmente para rezar diante de sua estátua. Muitos chegam a atirar cartas por cima do muro da casa do falecido, transformada em museu.
A caridade é a bandeira mais vistosa do espiritismo. Fazer o bem é a receita da perfeição – crença expressa no slogan “fora da caridade, não há salvação” – na verdade, um trocadilho com a doutrina católica que diz que “fora da igreja (católica, obviamente) não há salvação”. Mas embora alguns defensores tentem intelectualizar o credo dizendo que se trata de uma doutrina científica, um anzol para fisgar novos adeptos é a emoção. “O espiritismo mexe com os sentimentos e emoções das pessoas. Afinal, qual a mãe que não gostaria de falar novamente com um filho morto?”, diz Manoel Castillo, com a experiência de ter sido espírita por mais de uma década. A favor dessa opinião, sabe-se que depois de guerras e catástrofes há um surto de “aparições” de espíritos mandando recados do além, o que acaba seduzindo os vivos que perderam entes queridos. Foi assim após a Guerra Civil americana, foi assim após a Guerra do Paraguai, após a I Guerra Mundial e por aí afora. “Acontece que as pessoas são enganadas. A história que se conta por lá é muito bonita, mas a verdade é que os chamados ‘espiritos do bem’ são demônios”, diz Manoel Castillo.
O testemunho é semelhante ao de muitos outros. O envolvimento inicial com a fé espírita começa com uma alegada mediunidade. Graça, esposa de Manoel, conta que chegou a ter contato com o que considerava espíritos de luz. Quantos espíritas – e ex-espíritas também – não contam que seu primeiro contato com esse credo pseudo-científico foi por meio de alguém que afirmava ser o prosélito um “médium”, que precisava “se desenvolver”? 
O pastor Milton Vieira da Silva, do Ministério Rhema e autor do livro “Espiritismo – Conhecendo os cultos afro”, diz que o principal problema da doutrina espírita é a redução do papel de Jesus, o que desautoriza o conjunto de crenças espiritualistas como cristãs. “Eles veem Cristo como um dos melhores profetas, um mestre iluminado por excelência e o melhor homem que já existiu – menos como Senhor e Salvador da alma humana”. Vale dizer que o islamismo também vê Jesus dessa forma. Portanto, assim como o islamismo, o espiritismo não pode ser considerado uma religião cristã, pois nega os principais ensinamentos cristãos: o pecado original, a queda, a salvação propiciada pelo sacrifício de Jesus na cruz, o diabo e sua influência, o céu e o inferno. Para o espiritismo,
o diabo e os demônios são espíritos desencarnados que ainda não evoluíram; não há céu nem inferno, e o homem, em última instância, não depende de Cristo, mas de si mesmo, pois evolui graças às boas obras praticadas em cada encarnação. Sua explicação para a existência do mal é que quem sofre está sendo purgado do mal que praticou em outra vida. Poucos ensinos poderiam ser mais anti-bíblicos do que esse!
Suas obras assistenciais são de fato úteis à sociedade, mas também os evangélicos realizam grandes obras em favor do próximo, como igrejas e organizações não-governamentais de caráter cristão, como Exército de Salvação, Visão Mundial, CCF e outras; mas sem objetivo de se conseguir subir degraus rumo à perfeição. O apóstolo João disse que se amamos a Deus, a quem não vemos, devemos revelar isso em favor do nosso próximo, que vemos e com quem convivemos.
Estudiosos já identificaram a origem do espiritismo no tempo com as tentativas humanistas de explicar a realidade sem Deus. Aproximadamente na mesma época de Kardec, surgiram ideias que buscavam entender o homem e a natureza, como as teorias econômicas de Marx, os primeiros insights do que depois viria a ser a psicanálise, e também a tentativa de explicação da origem da vida sem o Criador, com Darwin. O espiritismo, no fundo, não é nada mais e nada menos do que a teoria da evolução adaptada à faceta espiritual do ser humano. 
Pesquisador de religiões e seitas há mais de 50 anos, o pastor Natanael Rinaldi, do Instituto de Estudos Cristãos (ICP), começou a estudar o espiritismo de Allan Kardec na mesma ocasião em que passou a se dedicar à apologética. Para ele, o caráter abrangente do espiritismo é apenas uma maneira sutil de se envolver nos meios religiosos com a finalidade de ter mais fácil aceitação, como se fosse também uma religião cristã. “O que não é verdade”, afirma. “Qualquer movimento religioso que alegue ser cristão deve ter seus ensinos confrontados com a Palavra de Deus para se verificar a veracidade dos mesmos”
Quanto às sessões mediúnicas, em que os adeptos acreditam ter contato com pessoas que já morreram, Rinaldi lembra que o apóstolo Paulo advertiu a igreja de Corinto sobre a possibilidade de o próprio diabo e seus anjos transfigurarem-se em anjos de luz: “Não são falecidos que se manifestam, mas sim espíritos mentirosos que tomam seus lugares nas invocações. E o pai da mentira é o diabo... Alguns grupos religiosos são mais suscetíveis à doutrinação espírita, como católicos que adotam a religião dos pais, mas desconhecem totalmente seus pontos básicos: são presas fáceis”. Mas ele alerta que também muitos evangélicos estão nessa mesma situação: “Ignoram doutrinas bíblicas, não leem as Escrituras, não participam de estudos bíblicos, não sabem responder sobre a razão de sua fé”.
Talvez seja precisamente essa fraqueza da Igreja a causa do avanço de doutrinas como a kardecista. A Igreja brasileira hoje tem se mostrado mais preocupada com a prosperidade própria do que com a evangelização, a exposição da Bíblia como Verdade Eterna, a existência do pecado, do diabo e do risco real de se ir para o inferno caso se considere Jesus como apenas “um bom homem”. Enquanto os cristãos estiverem trazendo impureza para dentro do arraial, como elementos importados de outros credos – rosa ungida, copo de água abençoada, banho “das sete águas”, sabonete consagrado, vassoura benzida, roupa da pessoa amada e outras bizarrices – o Brasil poderá mesmo ser a maior nação espírita do mundo.
E aí, como ficariam os que vivem fazendo atos proféticos dizendo que “o Brasil é do Senhor”, que “estabeleceu um novo governo”, e que “um tempo novo começou”? Melhor seria que abandonassem logo essa conversa fiada e fizessem algo que preste, engajando-se num esforço evangelístico, abrindo mão de seus aviões de luxo, seus carrões, suas mansões, e gastando o tempo que lhes resta para “salvar alguns, arrebatando-os do fogo” (Judas 22,23).

Com informações de : Cristianismo Hoje / Gospel Prime (23 de agosto de 2010)

44350

  © Blogger templates Modelo: Shiny by Ourblogtemplates.com 2008 - personalizado por Georges - que ralou pra caramba!

Voltar ao INÍCIO