Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Contradições (?) bíblicas - 11: questão de aritmética


Prossegue a crítica: a Bíblia estaria “de capa a capa, recheada de erros, barbaridades científicas, contradições e incongruências, os quais os ‘harmonistas’, sem nunca quererem admití-los, tentam contornar a qualquer custo para sustentar seus dogmas e crenças, com manobras e explicações mirabolantes e desonestas”. E dá como exemplo:
I Coríntios 15:5, com relação à ressurreição de Jesus, Paulo diz: “que apareceu a Cefas, e depois aos doze”. Os céticos afirmam que, com a morte de Judas e antes da eleição de Matias, restaram apenas onze, o que seria um erro humano de Paulo, fato que tira da Bíblia a qualidade de ser a Palavra infalível de Deus. Ora, essa é de uma infantilidade tal que nem deveria ser levada a sério. Mas eu levo a sério e digo que nos relatos não apenas se fala em onze, como também em 13 discípulos e pelo menos uma vez em dez discípulos – e nem por isso há contradição.
Veja só: Jesus “apareceu a Cefas, e depois aos doze”. Sim, depois de quê, cara pálida? Depois de algum tempo. É óbvio que, como Jesus apareceu “a mais de quinhentos irmãos duma [só] vez” – a maioria deles ainda estava viva quando Paulo escreveu essas palavras, e poderiam atestar a sua veracidade (v.6). Além do mais, “depois apareceu a Tiago, então a todos os apóstolos. Então é óbvio que Matias também testemunhou uma ou mais dessas aparições. Não há discordância ou erro. E além disso, a ênfase desse trecho de Coríntios é a autoridade apostólica, não o cartão de ponto dos apóstolos. O que interessa aqui é o ensino sobre a constituição dos fundamentos da Igreja, não explicar quem estava onde. O pessoal de Corinto já sabia que havia 12 apóstolos, não estavam preocupados com quem veio antes de quem, quem foi eleito depois etc.
Em outra parte a Bíblia diz que Jesus apareceu a dez discípulos, que foi quando Tomé estava ausente (devia estar procurando divergências na Torá e por isso perdeu a chance de se encontrar com o Cristo ressurreto). Judas havia se suicidado e Matias ainda não fora escolhido. E uma vez Jesus apareceu a pelo menos treze discípulos: os onze originais, sem Judas e com Tomé presente, mais os dois do caminho de Emaús, e ainda “outras pessoas” (provavelmente “não-apóstolos”): “E na mesma hora levantaram-se (os dois discípulos que vinham de Emaús) e voltaram para Jerusalém, e encontraram reunidos os onze e os que estavam com eles (Lucas 24:33). E se Matias estivesse presente (“os que estavam com eles”), Jesus teria aparecido “aos doze” (onze mais um), mais os dois de Emaús, e então seriam 14 discípulos... Em todo caso, o intuito de Paulo, na carta aos Coríntios, não é fazer acareação ou contabilidade do número de testemunhas.
A resolução desta aparente contradição passa pela seguinte regra de interpretação, já elencada anteriormente (princípios gramaticais): interprete as palavras no sentido que tinham no tempo do autor; e interprete a passagem em harmonia com o seu contexto. O que ele está dizendo nesta carta se refere ao ministério apostólico, e que todos os apóstolos testemunharam a aparição do Cristo ressurreto. Por Cristo ter aparecido por último a ele, Paulo, ele mesmo se considerava um “abortivo”, um apóstolo “temporão”. É isso que ele está ensinando, não que os apóstolos eram 11, 12 ou 13.
Outro “erro bíblico” estaria em Atos 7:14, quando Estevão diz que “a parentela de José que desceu ao Egito era de 75 almas”. Mas Gênesis 46:27 nos informa o número de setenta. Vejamos: Estevão diz “a parentela”. O final da frase de Gênesis de fato diz “todas as almas da casa de Jacó, que vieram para o Egito eram setenta. Agora por favor leia o versículo 26: “Todas as almas que vieram com Jacó para o Egito e que saíram da sua coxa, fora as mulheres dos filhos de Jacó, eram todas sessenta e seis almas; e agora o 27: “e os filhos de José, que lhe nasceram no Egito, eram duas almas. Todas as almas da casa de Jacó, que vieram para o Egito eram setenta. Vamos ver isso direitinho. Guarde essas expressões: “da casa de Jacó” e “que saíram da sua coxa”.
Todos os que foram de Canaã para o Egito, “que saíram da sua coxa”, isto é, seus descendentes diretos, foram sessenta e seis. Fora as mulheres dos filhos de Jacó, como está claro no texto. Quantas e quais eram essas mulheres?
Se lermos a partir do verso 1, veremos que “Partiu, pois, Israel com tudo quanto tinha”. Os versos 5 e 7 dizem: “Então Jacó se levantou de Beer-Seba; e os filhos de Israel levaram seu pai Jacó, e seus meninos, e as suas mulheres... Os seus filhos e os filhos de seus filhos com ele, as suas filhas e as filhas de seus filhos”.
Vai somando aí: os filhos de Jacó (que é Israel), fora José (que obviamente não estava na caravana que “desceu ao Egito”), eram 11.
Os “seus filhos” (isto é, os filhos dos filhos de Jacó, os netos) somam 48; com os 11 filhos de Jacó, temos 59.
Mais quatro bisnetos (dois filhos de Perez e dois de Beria), 63.
Mais as três mulheres sobreviventes de Jacó: Lia, Bila e Zilpa (pois Raquel já tinha morrido), e temos 66.
Não estão nessa lista a filha de Aser (Será, v. 17, contada à parte), Diná (também contada em separado) e o próprio Jacó, o que dá 69. Falta um.
O verso 7 diz que foram com Jacó “os seus filhos e os filhos de seus filhos com ele, as suas filhas e as filhas de seus filhos”, mas só uma “filha de seus filhos” é chamada pelo nome: Será, filha de Aser (v. 17). Evidentemente havia outra neta de Jacó, cujo nome não está na lista; outra possibilidade surge quando olhamos de novo o verso 15, e vemos que “todas as almas de seus filhos e de suas filhas (isto é, de Lia), e podemos entender que além de Diná, Lia teve uma outra filha, cujo nome desconhecemos.
Essa conta bate: “Todas as almas da casa de Jacó, que vieram para o Egito eram setenta” (Gênesis 46:27). Todas as almas que saíram da coxa de Jacó, isto é, seus descendentes diretos, eram 66; mais as três esposas sobreviventes e o próprio Jacó, são 70. Os cinco restantes – que constituem a diferença entre a informação de Gênesis e o testemunho de Estevão – poderiam ser o marido de Diná e outros “parentes”, como esposas dos netos de Jacó (pois se relata que um filho de Judá, Perez, tinha dois filhos, assim como um filho de Aser, Beria, que também já tinha dois filhos), ou noras de Jacó, isto é, mulheres dos filhos de Jacó; ou a outra neta não nomeada, ou ainda outra filha de Lia... Lembre-se que da conta em Gênesis 46:26 estão fora as mulheres dos filhos de Jacó. Sugiro que você faça a soma, posso ter errado... já a Bíblia... não erra.
Essa alegada “discrepância” é facilmente entendida, pois Estevão diz: “a parentela era 75”, e Gênesis diz que “os que saíram da sua coxa eram 66”, ou seja, descendentes diretos. Entre a “parentela” existiam alguns que não eram descendentes diretos, isto é, que “não saíram da sua coxa” (genros, noras etc.).
Um pouco de aritmética do ensino fundamental resolve fácil essa “dúvida”.

577.500

  © Blogger templates Modelo: Shiny by Ourblogtemplates.com 2008 - personalizado por Georges - que ralou pra caramba!

Voltar ao INÍCIO