Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Lições do naufrágio

O naufrágio do navio de cruzeiro Costa Concordia, no litoral italiano, lembrou a muitas pessoas a tragédia do Titanic, ocorrida um século antes. Embora incomparáveis na dimensão, a perda de vidas humanas atribuída a um ou mais erros humanos, e o afundamento, ainda que parcial, de uma embarcação de luxo daquele tamanho mexe com o imaginário das pessoas. Veja mais sobre a comparação dos dois navios aqui. Já disseram até que o Concórdia era um navio azarado, por que na sua viagem inaugural a tradicional garrafa de champanhe não se quebrou quando atingiu o casco; e até por que o time do Corínthians já viajou nele antes.
O que se pode dizer de concreto é que Joseph Bruce Ismay, empresário inglês, filho do fundador da White Star Line (companhia de navegação), protagonizou uma das maiores bravatas da história da humanidade. Há cento e poucos anos, ele disse que o Titanic, a glória de sua época, era insubmersível. “Nem Deus pode afundar este navio”, teria dito, segundo a lenda que se criou. Pelo menos isto está documentado - um folheto publicitário de 1910, da White Star, alegava que o super-navio fora “concebido para ser inafundável”.
O resultado todos sabem. Cinco dias depois de zarpar, o colosso de 46.000 toneladas jazia a 3.800 metros de profundidade no Atlântico Norte, arrastando consigo mais de 1.500 pessoas, dois terços dos passageiros, tornando o empreendimento, em poucas horas, uma das maiores catástrofes de todos os tempos. Apenas 706 sobreviveram para contar a história, inclusive o próprio Ismay, que acabou morrendo 25 anos depois, de causas naturais.
Há quem veja nesse episódio “o peso da mão de Deus”, que não teria tolerado a ofensa. Outros acham que Deus não se importaria com boquirrotos do naipe de J. B. Ismay, pois não admitem que Deus tenha matado tantas pessoas apenas para se vingar de um único empresário arrogante. Nem se sabe ao certo se ele disse mesmo a tal frase, alegam.
Seja como for, eu penso que essas tragédias – do Titanic e do Costa Concórdia – nos ensinam algumas coisas.
A primeira, é mesmo sobre a arrogância do ser humano. Desde que o Homem pecou, lá no jardim do Éden, ele foi contaminado com o vírus da auto-suficiência; ou melhor, a ilusão da auto-suficiência. Esse vírus lhe foi inoculado por aquele que foi a primeira vítima, Satanás, que então se chamava Lúcifer. Diz a Bíblia que esse anjo era, por assim dizer, a “obra-prima” da criação (confira em Isaías 14:12-20).
Tudo isso acabou lhe subindo à cabeça, e Lúcifer pensou que era o cara; cheio de si, imaginou derrubar o próprio Deus de Seu trono e assumir Seu lugar. Para isso, chegou a arregimentar uma multidão de seguidores que chegou a um terço de todos os outros anjos (Apocalipse 12:4). Mas, na sua arrogância, se deu mal, e acabou expulso dos lugares celestiais. Desde então, busca frustrar os planos de Deus.
O primeiro alvo foi o primeiro casal de humanos. E o tentador foi bem sucedido, pois ele conseguiu convencer – primeiro Eva, depois Adão – de que eles não precisavam de Deus e podiam se dar muito bem sozinhos, sem a tutela do Criador.
O Diabo colocou na cabeça de Eva a dúvida sobre Deus, dizendo que “não era bem assim” o que o Criador havia dito (Genesis3:4,5), e que os humanos podiam ser independentes – ou seja, plantou em suas cabeças a semente da arrogância.
Pouco tempo depois a coisa cresceu tanto que o gênero humano logo já desprezava completamente as ordenanças divinas. O homem decidiu que não iria mais fazer sacrifícios propiciatórios, nada disso; pelo contrário, ele mesmo iria construir para si um meio de chegar até os céus, por seus próprios méritos. Para isso, juntou uma patota e começou a construir uma torre, “cujo topo chegue até os céus” (Genesis 11:1-9).
Também sabemos em que deu essa iniciativa – uma pilha de tijolos abandonados em algum lugar da Mesopotâmia. E outros exemplos de arrogância podem ser vistos aqui. O Titanic é apenas mais um nessa longa lista de fracassos, que o Homem insiste em ignorar. De alguma forma, ele ainda acha que um dia será capaz de se virar sozinho.
A segunda lição que tiramos diz respeito à Igreja. Certa vez ouvi um pregador dizer que a Igreja deve ser como o navio. Ela precisa estar no mar, entrar no mar, mas o mar não pode entrar nela. Se isso acontecer e nada for feito para tirar o mar do navio, é o fim.
Cem anos atrás, alguma coisa aconteceu que os pilotos, o capitão, a tripulação, sei lá, alguém, comeu uma mosca do tamanho de um iceberg, e quando deram por si, o mar já invadira o navio de forma inexorável. Não havia mais o que fazer, a não ser abandonar o barco. Todo mundo conhece a historia, mesmo que só a associe à imagem do Leonardo DiCaprio.
O fato é que o nosso navio, a Igreja, começou a fazer água, perder velocidade, quando deixou que o mar entrasse. Na Bíblia, o mar é símbolo das nações, e por extensão, do poder humano, resistente ao senhorio de Deus. Para entender melhor, leia o Salmo 2 e logo depois Apocalipse 13. Os nossos tripulantes do terceiro século acharam que um pouco da água do mar não faria mal nenhum. E aí a situação desgringolou tanto que o navio se perdeu totalmente, e vagou às cegas por mil anos. Só recuperou um pouco do rumo quando alguns tiveram a visão de jogar a água fora e reparar o casco.
Foi suficiente?
Talvez, por um tempo, mas não nos esqueçamos de que o primeiro portador do vírus da arrogância – lembra? – é também o espalhador de icebergs na rota do navio. Ele não é besta, e às vezes – quase sempre – o iceberg está invisível. Ou então, como no caso recente do navio Costa Concórdia, o tentador se esforça para desviar o navio, levando-o em direção a rochas submersas, que não aparecem no radar! Ele tenta distrair o pessoal de bordo, para que pensem que estão num cruzeiro de férias e diversão, e não em missão de guerra, e de salvamento e resgate. Esse é o papel da Igreja: pregar o Evangelho aos perdidos, resgatá-los das mãos do Diabo, e resistir ao inimigo; a Igreja não é um ambiente de lazer!
Para encerrar, veja algumas curiosidades sobre o Titanic:
- Supõe-se que se a colisão com o iceberg tivesse sido de frente, apenas um compartimento ou dois seriam danificados, o fecho das comportas automáticas solucionaria o problema, e a viagem seguiria normalmente.
- Também se supõe que, caso o iceberg tivesse sido visto meio minuto antes, a colisão teria sido evitada.
- Quando avistou o iceberg, o primeiro oficial ordenou a inversão de marcha dos motores do navio. Porém, naquela velocidade, mesmo o grande poder de torção das hélices e a força de seus motores não eram suficientes para parar 46.000 toneladas naquele curto espaço entre o navio e o iceberg. Contudo, se tivessem mantido os motores em marcha normal, “a todo vapor”, e simplesmente tivessem virado o leme, à velocidade que iam o Titanic teria se desviado do iceberg, conseguindo contorná-lo e assim evitar a colisão, sendo apenas necessário corrigir o rumo depois.
- Os vigias noturnos deveriam ter binóculos, pois já se sabia que iriam passar numa zona de icebergs. Porém o material não foi fornecido a tempo, e os vigias tiveram de trabalhar sem auxílio visual. Com os binóculos, os procedimentos de emergência poderiam ter sido efetuados muito antes, pois o iceberg teria sido visto de longe.
Não é preciso esticar mais o assunto, pois as analogias são bem claras.
A Igreja hoje navega em águas perigosas. Circulamos despreocupadamente em torno de icebergs ameaçadores, e pedaços deles, cada vez maiores, caem em nosso convés a todo instante. Ensinos heréticos – como o de que Jesus teria sido criado – são aceitos por muitos como coisa normal; a teologia do domínio e a da prosperidade tomam o lugar das pregações sobre a salvação, sobre santificação, sobre a volta iminente do Senhor. E não nos importamos; pelo contrário, damos crédito aos arautos de heresias.
Estamos mais ocupados com as atrações no salão de festas do que em resgatar náufragos, abandonados aos tubarões enquanto fazemos gracinhas e tocamos a sirene para aparecer, como o capitão do Concordia. Estamos de olho no buffet, nas cinco refeições diárias, mesmo que sejam só palha seca; não procuramos mais alimento saudável, nos contentamos com porcarias pré-frabricadas, enlatadas, made in USA. E nesse meio tempo, as rochas vão fazendo estragos no casco lá embaixo; tem água entrando no porão e a gente fingindo que não é conosco.
Será que ainda dá tempo de tirar a água do porão e consertar as avarias? Será que ainda podemos tomar algumas providências simples, mas eficazes, para evitar o desastre, tais como usar o binóculo da Palavra de Deus para discernir o rumo certo? Ficar mais atentos aos icebergs das heresias e “revelações” estranhas ao Evangelho? Você deve fazer a sua parte para manter o navio no rumo, e bem conservado. Em breve o Dono dele vem, e a Ele todos devemos prestar contas.


120830

In Memorian do meu amigo Sergio Barbosa Toledo

  © Blogger templates Modelo: Shiny by Ourblogtemplates.com 2008 - personalizado por Georges - que ralou pra caramba!

Voltar ao INÍCIO