Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Existem "santos gays"?

Sempre que vejo na midia sobre a chamada “parada gay”, me lembro do que ocorreu em 2011, aquele escândalo das imagens de “santos” estilizados como se fossem homossexuais, e os cartazes com caracterizações eróticas, como “são” Sebastião de sunguinha. Usualmente representado em seu martírio, quando teria recebido flechadas (veja nota de rodapé), seminu, a efígie recebeu uma pesada carga de Photoshop visando tornar o conhecido mártir cristão uma espécie de ser andrógino, de modo que não se saiba se é homem ou mulher – como alguns que empunhavam tais imagens. Usaram parte do versículo de I Pedro 1:22 (“Amai-vos uns aos outros”) como mote para um repugnante “beijaço”, como se o apóstolo quisesse dizer que “amar uns aos outros” fosse “transar uns com os outros”. Com essas aberrações, querem dizer agora que existem “santos” católicos que eram gays, mas “a igreja escondeu isso”; e para justificar essas asneiras citam Davi e Jônatas, Jesus e João, as mártires “santa” Perpétua e “santa” Felicidade, e até mesmo que os apóstolos Felipe e Bartolomeu “se uniram em sagrado matrimônio”! Isso dá vontade de vomitar, me deu até dor de cabeça transcrever. É ou não é o fim do mundo? A limitação do espaço me impede de destrinchar todas essas falácias, por isso fico só com dois exemplos.
1 - Davi e Jônatas - quem procura justificar homossexualidade na Bíblia, como certos “pastores contemporâneos”, está perdendo tempo e enganando a si mesmo. Dizem, por exemplo, que Davi era gay por que amava mais a seu amigo Jônatas do que as mulheres (II Samuel 1:26), e que Jônatas também amava Davi: “A alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou, como a própria alma” (cap. 18:1).  O rei Saul também “afeiçoou-se” a ele (16:21); e a princesa Mical, filha de Saul e irmã de Jônatas, também “amava a Davi” (18:20). E não era só isso: “todo o Israel e Judá amavam a Davi” (18:16). O jovem “era benquisto de todo o povo, e até dos próprios servos de Saul” (18:5). E agora? O que significa esse “amar”? Isso faz de Davi um sedutor promíscuo como o personagem amoral do Teorema de Pasolini? Bem que o queriam os gays...
Por que Davi era o amado de todo o mundo? Por causa de sua simpatia, da sua simplicidade, da sua coragem, do seu caráter, da sua “boa aparência” (16:12, 18; 17:42) e por extrair belas melodias de sua harpa (16:18). Davi gerava confiança nos outros, a tal ponto que “ajuntaram-se a ele todos os homens que se achavam em aperto e todo homem endividado, e todos os amargurados de espírito” (22:2). Inicialmente eram 400 pessoas. Esse número elevou-se pouco depois para 600 (23:13, 27:2, 30:9).  O que aproximou Jônatas e Davi era a fé no poder e na atuação de Deus. Eles eram iguais quanto a isso. Jônatas explicou ao seu escudeiro que “para o Senhor nenhum impedimento há de livrar com muitos ou com poucos” (I Samuel 14:6).
Mas Davi tinha mesmo um
problema sério: não podia ver um “rabo-de-saia”. Teve várias esposas (Mical, Abigail, Ainoã, Maaca, Hagita, Abital, Eglá e outras). Chegou até a providenciar a eliminação de um soldado para ficar com a mulher dele: seu adultério com a mulher de Urias mostra que era heterossexual convicto (I Samuel 18:27, 25:42-43, II Samuel 3:2-5, 11:1-27). Nem depois de velho abriu mão da companhia feminina (II Reis 1:1-4).
O rabino Henry Sobel joga a pá de cal no argumento “contemporâneo” da homossexualidade de Davi:
“O relacionamento entre Jônatas e Davi é visto na Bíblia como um modelo de amizade. Em nenhum lugar das Escrituras se encontra referência a uma ligação homossexual entre eles. É importante observar que a palavra hebraica usada na passagem de I Samuel 1:26 (ahavá) não significa amor no sentido conjugal/sexual, mas sim no sentido paternal (“Isaque gostava de Esaú”, em Gênesis 25:28), no sentido de amizade (“Saul afeiçoou-se a Davi”, em I Samuel 16:21), no sentido de amor a Deus (“Amarás o Senhor, teu Deus”, em Deuteronômio 6:5) e no sentido de amor ao próximo (“Amarás o próximo como a ti mesmo”, em Levítico 19:18). Em todos estes exemplos, o verbo usado na Torá (a Bíblia hebraica) é ahavá (Extraído da revista Ultimato nº 254, cf. cit. em http://www.desafiodasseitas.org.br/m-05.htm).
2 - A verdadeira história de Perpétua e Felicidade – agora inventaram que as duas mártires eram lésbicas, e para os gays, viveram uma intensa paixão. Não sei de onde tiraram isso; ou melhor, sei, mas prefiro não dizer. A verdade é que, no início do século III, Sétimo Severo era imperador romano e, acossado por invasões bárbaras por todos os lados, tentou “unir o império” e publicou um decreto de cunho sincretista, visando o que poderia ser classificado como uma “globalização religiosa”. Como não adiantava muito impedir que novas religiões entrassem no império, pelo menos tentaria unificar tudo num balaio só – mais ou menos o que faria a igreja católica um século depois. Todas as formas religiosas e ensinos filosóficos deveriam se fundir num único “culto ao deus Sol invencível”. Mas dois grupos se recusaram: os judeus e os cristãos. O imperador então resolveu deter o crescimento dessas duas religiões, proibindo a conversão ao judaísmo e ao cristianismo. Além do mais, ressuscitou uma antiga orientação do então imperador Trajano ao governador da Bitínia, Plínio - o Jovem. No ano 112, Trajano escrevera a Plínio que não se deveria punir os cristãos só por terem esse nome (leia mais sobre isso aqui), mas se fossem acusados e se negassem a adorar os deuses de Roma, deveriam ser castigados.
Sétimo Severo então, por volta do ano 203 oficializou diversas penas e acusações genéricas de “traição”, “crimes”, “atos vergonhosos” e “obstinação”, e mais comumente, “ateísmo”, isto é, não crer nos “deuses”. Surgiram rumores: como cristãos e judeus se recusavam a tomar parte nas cerimônias e atividades pagãs, eram vistos como desleais e anti-sociais. Por tratarem uns aos outros como “irmãos” e “irmãs” e encontrarem-se em segredo, cristãos eram acusados de imoralidade. Referências sobre “comer o corpo e beber do sangue de Cristo” criaram suspeitas de canibalismo!
Perpétua viveu nessa época. Era uma jovem de boa posição social, tinha um filho pequeno que ainda amamentava, e possuía dois escravos, Felicidade e Revocato. Junto com dois outros jovens, de quem se sabe muito pouco a não ser praticamente seus nomes – Saturnino e Secúndulo – Perpétua, Felicidade e Revocato foram acusados de “traição”, isto é, haviam se convertido ao cristianismo e se reuniam secretamente. O processo da condenação foi demorado, e as autoridades tentaram persuadir Perpétua a abjurar sua nova fé. Felicidade, que estava grávida na época, temia ser solta e que seus amigos fossem martirizados; mas ao dar à luz uma menina, a criança lhe foi tomada e os acusados lançados às feras na arena.
Saturnino e Revocato morreram primeiro, mas os animais não atacaram Secúndulo; um javali recusou-se a mordê-lo e, atiçado, voltou-se contra um soldado e o feriu gravemente; depois um urso também não se interessou pelo mártir, até que um leopardo o matou a dentadas. As mulheres foram atacadas por uma vaca brava, e finalmente decapitadas por um vacilante verdugo. A descrição detalhada e sanguinolenta desses e outros martírios se encontra vastamente documentada, tanto pelas fontes cristãs como por historiadores diversos. É desconhecida qualquer referência a “homoafetividade”, “união estável” e bobagens do tipo.
Querem reescrever a história, mas de uma forma tão tosca que a pseudo-intelectualidade com que tentam revestir a causa gay não resiste a um raciocínio simples e a algumas perguntas básicas:
- Pois se o cristianismo é assim tão atrasado em termos de costumes, e se o paganismo ou as religiões greco-romanas eram mais tolerantes, por que as pessoas se converteriam ao cristianismo? Por que aí teriam que deixar de ser gays...
- Por que morreriam defendendo uma religião que não os apoiava em sua “opção sexual”? 
- Não era melhor terem continuado pagãos - e gays
Normalmente, as pessoas se convertem ao cristianismo ao conhecerem a Palavra de Deus, a qual consiste dos escritos dos profetas judeus e dos apóstolos cristãos. Ora, em todos esses livros está clara a condenação ao homossexualismo, tanto masculino como feminino, como se lê em Levítico18:22, 26-30. Para Deus isto é abominação, isto é, algo de que se deve ter nojo, manter distância. Tanto o Velho Testamento quanto o Novo condenam a relação entre pessoas do mesmo sexo: Romanos 1:18, 22-27, 32 diz que não é só “homem com homem”, mas “mulher com mulher” também está fora do padrão, doa a quem doer. E são “dignos de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que as praticam” (antes que me processem: quem disse isto foi o apóstolo Paulo). 
Pergunto de novo: qual a vantagem de um gay pagão, cuja religião tolerasse esse comportamento, se converter ao cristianismo, que não aceita isto, e insistir em continuar gay? Por que ser condenado à morte por defender uma religião onde não tem apoio ou respaldo? É burro ou não é, quem fez essa opção?
Portanto, está caracterizada a tremenda burrice que é a tentativa de atribuir homossexualidade a “santos” e “mártires”; essas pessoas merecem um pouco mais de respeito por parte da turma do arco-íris, a qual deseja ser respeitada mas não respeita nada nem ninguém. Os “santos” e “mártires” ficaram conhecidos justamente por terem escolhido abandonar práticas pecaminosas, suas vidas licenciosas e assim serem exemplo para os cristãos através dos séculos. Por isso o mesmo apóstolo Paulo escreveu:  
“Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus (I Coríntios 6:9-11); mas, “se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (II Coríntios 5:17). Lembre-se que a homoafetividade era notória em Corinto. Paulo sabia o que e a quem estava escrevendo!
Os simbolismos da história dos “santos” – perseguidos, martirizados e condenados por assumir sua condição (de cristãos, obviamente, mas isso é omitido) – acabaram por influenciar homossexuais que se apropriaram tanto da história quanto da imagem, por exemplo, de “são” Sebastião. Bem, apenas “parte da história”: gostam de dizer que são “mártires”, perseguidos etc., mas de cristãos não têm nada. Prova disto é que nem leitura correta da Bíblia sabem fazer, pois como escrevi no início, pensam que “amar uns aos outros” é “transar uns com os outros”.  Usam iconografias andróginas de artistas renascentistas como desculpa para criar uma auto-imagem, uma referência gay universal, uma suposta mistura de gêneros, esquecendo-se propositalmente que até usar roupas de sexos opostos Deus proíbe (Deuteronômio 22:5). E para embasar o que não tem base, agora “são” Sebastião, “são” Sérgio, “são” Baco, Perpétua e Felicidade estão sendo adotados por homossexuais como “padroeiro dos gays” (!!!).
Essa “releitura” das vidas dos mártires, à sombra de uma interpretação tendenciosa é, no mínimo, uma falta do que fazer. Dizer que “a igreja fazia casamentos homossexuais até o século XIV” é uma idiotice tão grande como a que acabou extinta por si própria anos atrás, tal a sua inconsistência – a de que Jesus e Maria Madalena deram origem a uma linhagem mística que envolve o “santo Graal” (leia aqui) e estaria oculta no lendário código “da Vinci”.
Como disse Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista, bem consciente do que fazia, “uma mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade”. Fiquemos atentos para que essas “novas versões contemporâneas” não se transformem em “fatos”. Felizmente, também conhecemos outra frase famosa, essa de Abraham Lincoln: “É possível enganar algumas pessoas todo o tempo; é também possível enganar todas as pessoas por algum tempo; o que não é possível é enganar todas as pessoas todo o tempo”.

(NOTA) Em que pesem as imprecisões da história, diz-se que Sebastião, em 286 dC, era capitão da guarda pessoal e homem de confiança do imperador romano Diocleciano, mesmo sendo cristão convicto e confesso. Alguns, que em tudo vêem motivação sexual (e homossexual) dizem que o motivo da confiança do imperador era por serem amantes(!). Denunciado por manter conduta branda com prisioneiros cristãos, Sebastião teria sido condenado à morte por flechadas, para que seu sofrimento se prolongasse. Diz a tradição que foi socorrido e curado por "santa" Irene. Assim que se recuperou, se apresentou diante do imperador para censurá-lo por sua crueldade com os cristãos. Diocleciano mandou que seus guardas o espancassem ate a morte, o que teria ocorrido em 20 de janeiro de 288.

150780

  © Blogger templates Modelo: Shiny by Ourblogtemplates.com 2008 - personalizado por Georges - que ralou pra caramba!

Voltar ao INÍCIO